Olá!

Somos o Timbre. Um espaço de opinião sobre música vibrando em novas frequências.

TOTEP - Kero Kero Bonito

TOTEP - Kero Kero Bonito

kero-kero-bonito-totep-1519139756-640x640.jpg

TOTEP

Kero Kero Bonito
Kero Kero Bonito
Fevereiro/2018
Indie Pop, Noise Rock
O que achamos: Muito bom

Desde que começou sua carreira, Sarah Bonito e cia fazem um som muito único, mas muito familiar. Misturam às influências de pop japonês e música de videogame traços de um rap desengonçado, melodias leves e letras engraçadas. Em Bonito Generation (2016) a estética kawaii é a base para essa mistura legal da banda, que curiosamente infantilizou a vida adulta em músicas sobre busca por emprego, fim da faculdade, sair da casa dos pais etc. No novo trabalho da banda, o minúsculo TOTEP, um EP de 4 faixas, a banda dá uma virada muito inesperada e bem-vinda, sem perder suas idiossincrasias. É como se o núcleo divertido e desconstraído que Kero Kero Bonito construiu em Intro Bonito (2014) e Bonito Generation (2016) tivesse sido mantido, mas ganhado uma roupagem nova e muito mais profundidade temática.

A sonoridade, embora ainda mantenha as batidas sintéticas e produção eletrônica, é mais predominada por um pop rock cheio de distorções. Guitarras e percussões mais “acústicas” aparecem no novo trabalho e soam muito bem situadas. O disco acaba ganhando um ar mais pesado, embora “pesado” seja um tanto exagerado como forma de identificar qualquer música do Kero Kero Bonito. De fato, a abertura com “The One True Path”, que introduz ruídos e distorções que contrastam com o vocal adocicado de Sarah Bonito, introduz a atmosfera mais obscura da obra, o que conversa com as letras sobre se aventurar no desconhecido, à busca de respostas ou de si mesmo.

Se a última faixa marca muito bem a cisão com sua sonoridade anterior, Kero Kero Bonito despiroca legal no single “Only Acting”, que embarca num noise rock bem gostoso de se ouvir. A banda não pega leve nas distorções e ruídos, tornando tudo muito misterioso e intrigante. Apesar de interessantíssima, a sonoridade não é o mais surpreendente da faixa. A composição da música, com letras, de fato, sobre atuar num teatro, entregues de forma a não deixar o ouvinte saber se o que está sendo dito é irônico ou apenas absurdo demais, tornam a faixa um dos melhores trabalhos do ano até agora. “It takes much more than just learning the script / You see, you gotta take the part and believe it / Oh, I sometimes make up all of my lines on the spot / But I will always give what I got” são versos que podem ou não estar falando sobre a condição de artistas em ascensão da banda, sobre a nova e repentina fama que deve ser, no mínimo, muita coisa com a qual lidar.

As duas últimas faixas do registro seguem experimentando. “You Know How it Is” tem um quê de surf music adicionado à barulheira dos instrumentos “de garagem” e “Cinema” encerra o trabalho numa linha mais lounge e suave. O conjunto da obra, apesar de curto demais para se ter uma opinião definitiva da nova fase em que Kero Kero Bonito entrou em 2018, se mostra, no mínimo promissor. Mergulhando mais fundo em temas que tentam expressar a confusão contemporânea, a banda experimenta sem se descaracterizar e cria sons interessantes e divertidos dos quais espero ouvir muito mais!

Club Classics Vol. One - Soul II Soul

Club Classics Vol. One - Soul II Soul

Dear Annie - Rejjie Snow

Dear Annie - Rejjie Snow