Olá!

Somos o Timbre. Um espaço de opinião sobre música vibrando em novas frequências.

Now Only - Mount Eerie

Now Only - Mount Eerie

WhatsApp Image 2018-03-26 at 16.17.16.jpeg

Now Only

Mount Eerie
P.W. Elverum & Sun
Março/2018
Folk, singer/songwriter
O que achamos: Muito Bom
Timbre Recomenda

Mount Eerie é o projeto pós-Microphones do músico Phil Elverum. Sua carreira, tanto no seu projeto anterior, como com o Mount Eerie foi marcada pela experimentação, pela mistura do folk, do indie, do singer/songwriter e do eletrônico para criar ambientes musicais reclusos, e cada álbum é uma visita diferente a uma parte desse universo imaginado pela mente brilhante do artista. Sua carreira sempre foi solo, apesar de contar com a ajuda de músicos de apoio para algumas gravações e para os shows, as ideias são todas dele. Only Now é o segundo álbum após a morte trágica de sua mulher, Geneviève Elverum, que o deixou após 13 anos juntos, e com uma pequena filha para cuidar. Assunto bastante explorado no A Crow Looked At Me, este novo álbum é uma extensão do sentimento de perda, da devastação que a morte de alguém ainda novo pode causar às pessoas ao seu redor.

Assim como seu antecessor, Now Only é difícil de ouvir. Ambos os álbuns trabalham em uma esfera de perda, de vulnerabilidade, de relatos sombrios que dificilmente se ouve em outros registros, de qualquer artista. É até difícil de falar sobre, por ser extremamente pessoal. É um álbum feito pelo Phil Elverum, para ele e sua filha e sua falecida esposa. Logo, imagine entrar na intimidade de uma família devastada, ainda tentando reunir os cacos após um evento que mudou para sempre a vida desse lar. Imagine passar pelas portas, tocar as paredes, ouvir um bule apitando, avisando que o chá está pronto. Imagine conversar com esse pai, enquanto a filha brinca em um canto. Tudo naquele ambiente está contaminado por essa perda, de uma mulher ainda tão presente que o ar respirado carrega sua energia. Agora imagine ser parte dessa família.

Now Only é o segundo momento no processo de luto de Elverum. É o momento em que ele já voltou à vida, mas ela ainda não faz muito sentido. É o momento em que as músicas que ele canta ainda são para a esposa, é o momento em que homenageá-la é o que faz sentido. A Crow Looked At Me foi a hora de dizer adeus, de entender o que aquilo significava, enquanto Now Only é como as coisas ficam depois desse entendimento. E ainda não estão nada bem, obviamente. “I sing to you/I sing to you, Geneviève/I sing to you/You don't exist/I sing to you though”, começa o álbum em “Tintin In Tibet”, ficando clara a homenagem e a presença da esposa em tudo na vida do artista. Essa música é o momento de se questionar a quem ele se dirige de fato quando fala com ela, e de relembrar como eles se conheceram, de valorizar a história dos dois.

O álbum continua com “Distortion”, e esse é um bom momento para endereçar a simplicidade da música desses dois últimos registros, em contraponto ao resto da carreira de Elverum. Como mencionado acima, a discografia do Mount Eerie até o A Crow Looked At Me sempre foi experimental. Porém ao fazer músicas sobre a morte e como a vida dele foi afetada, apenas violão e guitarra são usados, e a voz do Phil não é perfeita e totalmente afinada. Mas a realidade brutal que as letras passam, em contraste com a simplicidade juvenil das melodias, que sozinhas não sustentariam um bom álbum, é a atmosfera correta para nos transportar para esse mundo de tristeza: um músico que sabe o que quer dizer, mas atordoado demais para compor algo que fuja do básico. Suas palavras já são fortes o suficiente.

Por isso, “Distortion” é uma surpresa agradável, dentro de um contexto desagradável. Fazendo jus ao nome, a longa faixa de quase 10 minutos começa com uma distorção de guitarra, demonstrando que apesar da fase ruim, Phil está voltando a experimentar, mesmo que seja apenas com uma simples distorção abrindo uma música. Essa faixa é uma maestria de escrita, e lida com o passado do artista, que lista os dois corpos falecidos que já viu ao vivo na vida: o de um parente a muitos anos atrás e o da esposa. É mais uma música que, em tudo que o cantor faz, ele vê, sente e respira a esposa. É sufocante o afogamento emocional que o álbum transmite. “In a constant uncomfortable stream of memories trailing out/ Until I am dead too”, canta o artista, em uma dolorosa constatação de que as lembranças de sua esposa serão um fantasma presente para sempre, até a sua própria morte.

As outras quatro faixas do álbum seguem na mesma linha, com mais algumas poucas quebras no padrão “violão e voz” aparecendo, mas basicamente com as letras nos puxando para esse vórtex criado por esse momento dos Elverums. O destaque vai com certeza para a faixa título, que tem a letra mais real dentre todas as suas companheiras de álbum. “But people get cancer and die/People get hit by trucks and die/People just living their lives/Get erased for no reason/With the rest of us watching from the side” é o refrão dessa música assustadora de tão real, onde Phil intercala cenas reais ocorridas após a morte de Geneviève e como ele não entendia os momentos de diversão e alegria mais da mesma maneira, com um pensamento mais expansivo e geral sobre a morte dos seres humanos.

Ao final do álbum, saímos carregados. Não é um álbum fácil de falar sobre porque não é um álbum fácil de se ouvir. Não é o tipo de arte para entretenimento, justamente porque, como o músico disse em “Real Death” do álbum anterior, a morte não é algo para se transformar em algo a ser consumido como lazer. A Crow Looked At Me e agora o Now Only, cada um em seu contexto, vêm com um embrulho no estômago e exploram através de letras vivas e pulsantes um assunto que ainda é lidado quase como um tabu. Como sobreviver a morte quando não foi você quem morreu? Como lidar com a eterna marca energética de um ente querido que faleceu, especialmente muito antes da idade esperada? Now Only sucede justamente por não trazer nenhuma dessas respostas, e sim apenas as dúvidas que uma tragédia como essa traz, e é extremamente amargo ao digerir justamente por ser tão humano.

Nossa relação com a música triste - um devaneio.

Nossa relação com a música triste - um devaneio.

Conheça A Balsa

Conheça A Balsa