Olá!

Somos o Timbre. Um espaço de opinião sobre música vibrando em novas frequências.

Bon Voyage - Melody's Echo Chamber

Bon Voyage - Melody's Echo Chamber

a1708157068_10.jpg

Bon Voyage

Melody's Echo Chamber
Fat Possum
Junho / 2018
Pop Psicodélico
O que achamos: Excelente

Há muito a ser dito sobre o período pós Melody's Echo Chamber” (2012) que influenciou na entrega do segundo álbum do aclamado projeto francês encabeçado por Melody Prochet.

Desde o rompimento pessoal e profissional com Kevin Parker (do Tame Impala), Melody buscou uma identidade sonora que fosse capaz de expressar de maneira singela suas impressões e ficou um longo tempo sem dar aos fãs canções novas. Um hiato marcado pela experimentação que durou até o primeiro semestre de 2017, quando a cantora anunciou através das mídias sociais o lançamento de seu novo álbum de estúdio e uma turnê pela América do Sul que posteriormente foram adiados devido a um acidente quase fatal. Longos meses de espera, e então Melody retorna com a promessa de seu novo álbum e um conteúdo visual interessante que representa o trabalho da mesma forma fantástica na qual a autora o imaginou, “um conto de fadas moderno” pelas palavras da mesma.

Bon Voyage é um álbum lúcido e perspicaz sobre o processo de catarse, expiação e cura para um relacionamento que não deu certo. Ao longo das sete faixas que recheiam o trabalho, a cantora francesa tece uma utopia repleta de cores e texturas: seu próprio modo de lidar com o rompimento e a dor. Da mesma forma, constrói o motor no qual cria metáforas para as mais íntimas memórias sobre sua separação e os sentimentos resultantes desse processo.

Anexo à sua própria perspectiva e visão, Melody narra toda angústia e a culpa pelo sofrimento do parceiro e a ideia de que, talvez, ela consiga ser feliz apesar de toda lastima, uma válvula de escape em que ela se vê isenta de toda má energia e finalmente encontra a paz interior. Do passeio pela solidão em paisagens desérticas aos gritos enfurecidos de anônimos e devaneios de criaturas místicas como um anjo triste chorando sua inquietude compartilhada montam o panorama das canções que narram seu êxodo em busca da sua libertação pessoal.

O som é basicamente resultado de experimentos que não se abstém em seu conforto, utilizando artifícios como flautas e sintetizadores vocais. Os vocais são doces e repletos de honestidade e transmitem segurança, equilíbrio e aconchego e todos os sentimentos que Melody propõe em suas letras são sentidos de forma satisfatória. A produção é madura e inteligente, agregando originalidade e fluidez.

Marcado pelo pop psicodélico e pelo dream pop, Bon Voyage é a expressão do crescimento pessoal de Melody Prochet como artista, uma reafirmação de sua independência e um grito de libertação em meio a uma grande maré que insiste em duvidar de sua capacidade de criar música excelente.

Song For My Father - Horace Silver

Song For My Father - Horace Silver

Call The Comet - Johnny Marr

Call The Comet - Johnny Marr