ícone.png

Olá!

Somos o Timbre. Um espaço de opinião sobre música vibrando em novas frequências.

Un peu plus d'amour s'il vous plaît - Laure Briard

Un peu plus d'amour s'il vous plaît - Laure Briard

laure-unpeuplus.jpg

Un peu plus d’amour s’il vous plaît

Laure Briard
Midnight Special Records
Fevereiro/2019
Alternativa, indie pop
O que achamos: Excelente

Não é preciso fazer muito esforço para se encantar com o trabalho de Laure Briard. A cantora francesa de Toulouse enche qualquer ouvinte de amor, com o efeito instantâneo de fazer até os mais tímidos balançarem o corpo no ritmo de suas canções. Com dois outros álbuns lançados, Révélation (2015) e Sur la piste de danse (2016), Briard lança agora o delicioso Un peu plus d’amour s’il vous plaît, regado a yé-yé, psicodelia e muito indie. É preciso também relembrar os EPs da musicista, Sorcellerie (2016), e Coração Louco (2018). Este último, inclusive, foi resultado do encontro de Briard com a música brasileira - de Jorge Ben a Boogarins -, o que culminou em faixas etéreas cantadas em português, com um adorável sotaque francês.

Em Un peu plus d’amour, a vibração de sonho permanece, firme e forte. A faixa de abertura, “Marin solitaire”, passeia por um oceano psicodélico, trazendo como temática a solidão e a saudade entre o eu lírico e um marinheiro distante. Já “Wander/Wonder”, com refrões em inglês, fala sobre amor, fugas, e um ônibus para Nashville, Tennessee, tudo isso entremeado com teclas melancólicas e ritmo desacelerado. O inglês invade completamente a faixa seguinte, “Love Across The Sea”, que une palavras lindamente recitadas, Françoise Hardy e teclas marcantes de jazz.

A sexta faixa do álbum, que abre a metade final, é “Kooky Sun”, com guitarras mais presentes, trazendo a nostalgia dos anos 1960, sem tirar os pés da sonoridade de indie rock. Em seguida, “J’oublie”, mais serena, carrega a poesia da desilusão e do desencontro, demonstrando (e falando sobre) a música como cura para a dor: “Je chante pour oublier ma peine / Je pleure mais ça ne vaut pas la peine” (“Eu canto para esquecer minha dor/ Eu choro mas não vale a pena”).

A décima e última faixa, que empresta seu nome ao álbum, fecha Un peu plus com clima onírico, cósmico e transcendental, trazendo uma mensagem de amor, união e fraternidade. Com essa paz espiritual, Laure Briard - junto dos incríveis Raphaël Léger (bateria), Vincent Guyot (teclado), Camille Bénâtre (guitarra) e Thomas Pradier (baixo) - esquenta o peito, esfria a cabeça, faz os pés mexerem e o corpo balançar, tudo isso em bela sintonia e com um charme fascinante. Somado a tudo isso, há a constância de temáticas existenciais, reflexões intimistas e cenários cinematográficos que, juntos, criam a mágica contagiante de Un peu plus d’amour s’il vous plaît.


Tagua Tagua estreia no Rio de Janeiro com dois shows

Tagua Tagua estreia no Rio de Janeiro com dois shows

Assume Form - James Blake

Assume Form - James Blake